sexta-feira, 15 de maio de 2015

Lebowski e a recusa como resistência


No primeiro sábado de maio, logo após o feriado do dia do trabalho, o Ciência em Foco exibiu o cultuado filme dos irmãos Coen, O grande Lebowski (The big Lebowski, 1998). Quem conversou com a plateia foi o filósofo e doutor em Literatura Comparada, Gabriel Cid de Garcia, produtor cultural da UFRJ e coordenador do cineclube. Ele apresentou a palestra Lebowski e nós: o homem sem qualidades e a superação do niilismo. O aparente deslocamento do personagem principal serviu de mote para uma conversa filosófica sobre aspectos da condição humana na modernidade.

Gabriel comentou a potência do filme em trazer para o presente a discussão sobre o niilismo, disposição diagnosticada pelo filósofo Friedrich Nietzsche no final do século XIX. A partir do humor dos Coen, a superação desta atitude de negação da vida e dos valores se daria pela afirmação contida nos gestos de recusa, que aproximam Lebowski de outros célebres personagens da literatura moderna. Na contramão dos discursos de produtividade e eficácia, tão presentes em nossa época, Lebowski nos permitiria pensar uma abertura para formas outras de vida e resistência.

Nossa próxima sessão acontece no dia 6 de junho. Exibiremos o filme Gattaca: a experiência genética (Gattaca - E.U.A., 1997), de Andrew Niccol. Teremos a honra e a alegria de receber, como convidada do mês, Daniela Manica, doutora em Antropologia Social pela Unicamp, professora do Departamento de Antropologia Cultural do IFCS/UFRJ. Ela apresentará a palestra "Válidos", úteis e produtivos: corpo e vida entre os efeitos da tecnociência. A entrada é franca! Anotem na agenda e divulguem abertamente. Até lá!

terça-feira, 28 de abril de 2015

O humor irreverente de 'O grande Lebowski'


Dia 2 de maio é dia de Ciência em Foco. O cineclube da Casa da Ciência apresenta O grande Lebowski (The big Lebowski - E.U.A., 1998), dirigido pelos irmãos Joel e Ethan Coen. O convidado para a conversa após o filme é Gabriel Cid de Garcia, filósofo, doutor em Literatura Comparada pela UERJ, produtor cultural da UFRJ e professor-tutor de Filosofia da UNIRIO.

O que torna esta comédia alvo de uma atenção especial é o despropósito do principal personagem, Jeff Lebowski, que se auto intitula “o Cara” (The Dude), interpretado por Jeffrey Bridges. Em busca de uma justa compensação em função da violência que sofreu em sua casa, quando capangas urinaram em seu “querido” tapete , o Cara acaba envolvido em uma hilariante trama ao conhecer um milionário (interpretado por David Huddleston) que tem o mesmo nome que ele.

Como afirma Gabriel Cid de Garcia, “o cinema dos irmãos Coen não cansa de nos apresentar situações que desafiam a busca de explicações finais, de um sentido último para os acontecimentos. Em O grande Lebowski, o jogo com o acaso e a tradição intensifica rupturas capazes de dialogar com formas de se pensar a modernidade”. 

O filme, livremente inspirado em um livro do escritor estadunidense Raymond Chandler, apresenta um Cara desempregado, cuja marginalidade, preguiça e irreverência lhe revestem de um álibi diante das atrocidades, hipocrisias, cobiça e corrupção que parecem mover os demais personagens, fora as personalidades inusitadas de seus companheiros de boliche.

Para Gabriel, que também é o idealizador e principal responsável, desde 2004, do Ciência em Foco, é possível identificar-se à "desconfiança com relação ao progresso, à razão e à ciência presentes no filme, que  nos convida a um espaço de pensamento sem garantias, admitindo uma forma peculiar de resistência - e delírio - a partir da arte e da linguagem.

Participe do Ciência em Foco, com sessões às 16 horas,  sempre no primeiro sábado de cada mês e festeje, ao longo ano de 2015, os 20 anos da Casa da Ciência da UFRJ.  A entrada é franca.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Uma nova leitura da natureza



No primeiro sábado de abril, aconteceu a segunda sessão de 2015 do Ciência em Foco. Exibimos o filme Criação (Creation - Reino Unido, 2009), de Jon Amiel, seguido da palestra Ciência e moral: o caso Darwin, ministrada pelo professor do Departamento de Filosofia da UFF, Fernando José Fagundes Ribeiro. A palestra abordou impasses envolvendo a disputa entre as formas científicas e religiosas de relação com a natureza.

No filme, a figura de Charles Darwin é emblemática pela revolução desencadeada pela escrita de sua obra A origem das espécies, cujo processo de elaboração é mostrado no filme. No entanto, a aposta estética do filme, ao focar sua atenção na criação científica, ajuda a pensar a ciência como uma atividade humana, inseparável dos diversos fatores da cultura e da sociedade. Uma das consequências disto é a recepção da obra de Darwin e os debates que suscita até hoje, servindo para despertar paixões e críticas entre religiosos e cientistas, prolongando uma querela que extravasa os domínios e interesses de cada um de seus campos específicos de atuação.

Aproveitamos a postagem para agradecer novamente pela parceria da APILRJ (Associação de Profissionais Intérpretes de Libras do Estado do Rio de Janeiro). Nossa próxima sessão será no dia 2 de maio de 2015. Exibiremos o cultuado filme O grande Lebowski (The big Lebowski - E.U.A., 1998), dos irmãos Joel e Ethan Coen. Após o filme, o filósofo, professor e coordenador do Ciência em Foco, Gabriel Cid de Garcia, apresentará a palestra Lebowski e nós: o homem sem qualidades e a superação do niilismo. Gabriel Cid é doutor em Literatura Comparada pela UERJ, produtor cultural da UFRJ e professor-tutor de Filosofia na UNIRIO. Fiquem ligados no blog e anotem na agenda. Até breve!