terça-feira, 3 de março de 2015

O irretratável da História em cenas de Tarantino

Clique na imagem para ampliar.

O cineclube da casa da Ciência da UFRJ, Ciência em Foco, retoma suas atividades em 2015 apresentando dia 7 de março o filme Bastardos inglórios (Inglourious basterds, 2009 - EUA/Alemanha - 153 minutos), de Quentin Tarantino. E para conversar com o público após a sessão está convidado o professor Maurício Rocha,  Doutor em Filosofia pela PUC-Rio e integrante do Programa de Pós-Graduação em Direito da mesma universidade. O tema de palestra eleito por Maurício sugere uma animada reflexão sobre os limites ficcionais do cinema e sua inserção na leitura da História: Tarantino e o Cinema - a segunda melhor coisa depois de uma máquina do tempo.

Afinal, indaga o professor, “Como  filmar o irrepresentável?”

O filme de Tarantino se passa na 2° Guerra Mundial, na França ocupada pelos nazistas. O tenente Aldo Raine (Brad Pitt) é encarregado de reunir um pelotão de soldados de origem judaica, para matar o maior número possível de alemães, de forma cruel, a fim de gerar um impacto aterrador aos membros do III Reich. Paralelamente, a órfã Shosanna Dreyfuss (Mélanie Laurent) foge para Paris, onde se disfarça como operadora e dona de um cinema local, enquanto planeja um meio de se vingar.

Uma missão que se inscreve como um dado anônimo e irretratável, mas passível de tornar-se uma reação crível e inglória à violência da história.

Segundo o professor Maurício Rocha, “desde o início de sua obra, Quentin Tarantino sempre se mostrou um ponto fora da curva da indústria cinematográfica, apresentando um cinema reflexivo e ao mesmo tempo acessível, apropriando-se da palavra e das formas cinematográficas. Com 'Bastardos inglórios', ele também nos convoca a pensar questões que atravessam a sua obra recente: de que forma o cinema pode olhar para a História?”

Participe do Ciência em Foco, com sessões às 16 horas,  sempre no primeiro sábado de cada mês e festeje, ao longo ano de 2015, os 20 anos da Casa da Ciência da UFRJ.  A entrada é franca.


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

A arte e a insistência do passado no presente



No primeiro sábado de dezembro, aconteceu o encerramento da temporada 2014 do Ciência em Foco. Para encerrar um ano repleto de sessões que tematizaram as tensões entre artes, ciências, o pensamento e o olhar histórico sobre a vida, tivemos a honra de receber a professora da Escola de Comunicação da UFRJ, Anita Leandro, doutora em Estudos Cinematográficos e Audiovisuais pela Université Paris III (Sorbonne-Nouvelle), que conversou com o público após a exibição do filme que ela dirigiu, Retratos de identificação (Brasil, 2014), totalmente feito a partir de arquivos da ditadura.

Dentre os muitos silêncios evocados pelos perturbadores relatos e documentos mostrados, Anita salientou o papel diferencial da arte, quando aliada à pesquisa historiográfica. O artista, o cineasta, ao se debruçar sobre os arquivos e sobre as imagens do passado, é capaz de produzir imagens que provocam nosso olhar para além da objetividade da pesquisa histórica. É o momento em que o documentário revela suas estratégias narrativas, com o intuito de explicitar algo que não fora visto até então. Cinquenta anos após o golpe militar, o olhar trazido pelos arquivos pesquisados por Anita trazem uma luz renovada sobre um passado que insiste em nosso presente.

A inauguração da temporada 2015 do Ciência em Foco acontecerá no dia 7 de março de 2015. Teremos a alegria e a honra de receber, como convidado, o filósofo e professor do Programa de Pós-Graduação em Direito da PUC-Rio, Maurício Rocha, doutor em Filosofia pela PUC-Rio. Maurício apresentará uma palestra após a exibição do filme Bastardos inglórios (Inglourious basterds, 2009), de Quentin Tarantino. Anotem na agenda, fiquem ligados no blog e acompanhem-nos nas redes sociais para maiores informações. A equipe agradece aos nossos frequentadores presenciais e virtuais, desejando a todos boas festas e um expressivo 2015, repleto de filmes, ideias e realizações! Até breve!



 
Fotos: Marco Fernandes/Adufrj-SSind

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Videocast - Feitiço do tempo / Ricardo Kubrusly


Já está no ar mais um videocast do Ciência em Foco. Agora todos podem conferir a palestra que aconteceu após a exibição do filme Feitiço do tempo (1993), de Harold Ramis, na sessão de fevereiro de 2014, que contou com a participação do poeta e matemático Ricardo Kubrusly, professor do Instituto de Matemática da UFRJ e coordenador do Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia (HCTE/UFRJ). Ele apresentou a palestra "Do Tempo, o que se diz?".

Na palestra, Ricardo evocou a figura de Zenão de Eleia para pensar a repetição a partir dos paradoxos temporais trazidos pelo pensador pré-socrático. Seu pensamento funcionou como ponto de partida para uma reflexão que invade diversos domínios, abordando a experiência humana do tempo e o caráter cinematográfico da vida, associado à ilusão do movimento. Aproveitem!