quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A classe ao redor



O filme 'O som ao redor' apresenta uma atmosfera de tensão, de ruas assombradas por muros e seguranças. O som que ouvimos é de dois tipos: por um lado, o ruído ensurdecedor de uma classe média ao mesmo tempo decadente e emergente; pelo outro, o murmúrio da multidão dos pobres. Entre o ruído e o murmúrio, como pensar a produção de novos valores no Brasil de hoje?

Logo após o filme, haverá a palestra/debate A classe ao redor, ministrada por Giuseppe Cocco, cientista político, Doutor em História Social pela Université Paris I (Panthéon-Sorbonne), professor titular da Escola de Serviço Social da UFRJ.

Dia 1º de novembro, às 16h, na Casa da Ciência da UFRJ. A entrada é franca!

O filme será exibido com legendas em português, e haverá tradução Português/Libras durante a palestra, caso seja necessário. (Agradecemos o contínuo apoio da APILRJ - Associação dos Profissionais Tradutores/Intérpretes de Língua Brasileira de Sinais do Rio de Janeiro)

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Arte, verdade e ilusão

A arte e a ilusão da verdade, ou "a mentira que nos permite perceber a verdade", como disse Picasso. Já está no ar o podcast com o professor de Teoria da Literatura e Literatura e Cinema da UFF, Adalberto Müller, sobre o filme "Verdades e mentiras" (F for fake, 1973), de Orson Welles. Acredite no falso e ouça o podcast, que é verdadeiro!
Clique abaixo para ouvir a palestra (56min.) ou baixe aqui o arquivo zipado (51MB).






terça-feira, 30 de setembro de 2014

Intolerância e liberdade de pensamento


Clique na imagem para ampliar.

Como você reagiria se por lei do Estado fosse proibido ensinar nas escolas públicas a teoria evolucionista, desenvolvida em meados do século XIX pelo naturalista inglês Charles Darwin? Pois foi o que aconteceu ao professor de biologia John Thomas Scopes, na cidade de Dayton, em pleno século XX (1925) no estado americano do Tennessee e que o filme de Stanley Kramer, "O Vento Será Tua Herança" (Inherit the Wind – E.U.A., 1960), aborda na sessão do dia 4 de outubro, no Ciência em Foco. Em seguida ao filme, haverá a palestra/debate Vários rounds... e o ringue segue armado, com Valéria Wilke, professora do Departamento de Filosofia e Ciências Sociais da UNIRIO.

A produção estadunidense foi adaptada da peça homônima de Jerome Lawrence e Robert Edwin Lee escrita em 1951 e estrelado por Spencer Tracy, Fredric March e Gene Kelly. Trata-se de uma ficção amparada em um caso real: o Julgamento do Macaco (“Monkey Trial”), como ficou conhecido, em que é possível acompanhar o confronto entre perspectivas religiosas e a ciência.

O julgamento, que  durou 11 dias e foi o primeiro a ser transmitido pelo rádio, aparece nesta versão cinematográfica atravessado por outras questões que para a professora Valéria Wilke merecem destaque: “o filme convida-nos a discutir sobre a natureza do estado laico e sua relação com as religiões, quem pode ensinar e o que se pode ensinar às crianças, e sobre a liberdade do pensamento”.

A intransigência do juiz em meio a batalha judicial, que impediu a defesa de apresentar cientistas como testemunhas em favor da teoria da evolução, também alude a outro momento da história americana, o macartismo. Nesse período, que vai  de fins da década de 1940 a meados da década de 1950, ocorreu intensa perseguição política e desrespeito aos direitos civis. A obra de Jerome Lawrence também surge como forma de denuncia a esta violência do Estado sobre aqueles que não concordavam com as ideias  preconizadas nos EUA durante a chamada Guerra Fria.